Ana Luiza da Silva Bezerra

Reinos do Sul: identidade, representação e consumo a partir de “Elena de Avalor”

Orientadora: Ana Paula Bragaglia

Resumo:
Esta dissertação possui como objetivo principal investigar como a indústria cultural, na qual as produções da The Walt Disney Company se inserem, impacta na representação de uma identidade gendrada da mulher latino-americana nos produtos audiovisuais infantis da empresa. Para tanto, focamos nossa análise na animação “Elena de Avalor” (GERBER, 2016), série voltada para crianças que possui como protagonista a primeira princesa latino-americana lançada pela empresa. Além do objetivo central da pesquisa, possuímos como objetivos específicos à compreensão das práticas mercadológicas e sociais do mercado globalizado de animações infantis, a exploração do processo de criação de narrativas animadas e a investigação dos possíveis impactos de protagonistas femininas em audiovisuais para crianças. Como aparato teórico, utilizamos, principalmente, as reflexões de Eco (1994) sobre os atos de criar e desfrutar de uma obra de ficção; as ponderações acerca das mudanças históricas e teóricas dos processos de identidade contemporâneos a partir da obra de Hall (2016); as ideias sobre identidade gendrada de Butler (2018) e Lauretis (1994); as indagações sobre o papel da vida cotidiana nos processos de identificação a partir, principalmente, das obras de Heller (2018 [1970]) e Kosik (2002 [1963]). Além disso, foi feita uma discussão sobre a influência da mídia nas identidades de acordo com Kellner (2001) e outros autores. Por fim, discutimos as relações entre violência colonial e a mídia na construção de uma identidade latino-americana de acordo com a obra de Ribeiro (2017), Monzo (2015) e Carneiro (2011). Utilizamos a “análise de conteúdo” descrita por Bardin (2016) como aparato metodológico para investigarmos nosso corpus de cinco episódios da primeira temporada da série. Os dados levantados indicam que a nossa hipótese inicial, de que usualmente ocorre um processo de homogeneização das culturas não europeias representadas sob o crivo da Disney, foi confirmada.

Palavras-chave: Representação; Mídia e Cotidiano; Animações; Estudos de Gênero; Indústria Cultural

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/13713


Hellen Rodrigues Arantes

Fashion Revolution Brasil: o consumo consciente no cotidiano do Instagram à luz da publicidade social de causa

Orientadora: Patrícia Gonçalves Saldanha

Resumo:
A sociedade contemporânea vem sofrendo com as inúmeras consequências socioambientais dos padrões de consumo desenfreados que fazem parte do cotidiano da população. Entre desmatamentos, poluições ambientais e trabalho escravo nas indústrias mais lucrativas do Planeta, se acendeu um sinal de alerta no que tange às atuais práticas de consumo. Surge, nesse contexto, o consumo consciente e, através de uma rede complexa de atores sociais, formada por Empresas, Mídia, ONGs, Poder Público, Movimentos Sociais e Sociedade Civil, vem se apresentando como alternativa aos estilos de consumo nocivos das últimas décadas. Essa “rede” tende a se influenciar e a ter interesses diversos no que se refere à natureza e aos direitos sociais. Partindo desse olhar, o trabalho tem como objetivo entender o posicionamento e as ações estratégicas dos movimentos formados por consumidores conscientes no Instagram à luz dos conceitos da Publicidade Social a fim de verificar se tais movimentos têm a potência para subverter a lógica do poder hegemônico. Como o conceito de consumo consciente é amplo e pode estar presente em diferentes áreas da vida, optou-se por analisar um caso relacionado ao segmento da moda, pois a indústria é uma das que mais consome água, gera lixo e possui uma cadeia produtiva complexa, extensa e, muitas vezes, inconsequente no que tange à dignidade humana. Para efeitos de maior reflexão a respeito do cenário fashion, o corpus da pesquisa será a Semana Fashion Revolution do Movimento Fashion Revolution Brasil, que preza por uma moda justa, revolucionária e transformadora. Nesse sentido, a metodologia da dissertação será composta por pesquisa bibliográfica e análise do discurso francesa sob a perspectiva dos estudos de ORLANDI (2003) aplicadas nos três posts mais curtidos e comentados no Instagram das respectivas edições da semana de moda nos anos de 2018 e 2019. Os principais conceitos e autores utilizados para embasar o trabalho foram: consumo e sociedade de consumo contemporânea (BAUMAN, 1999; 2001; 2008), consumo consciente e sustentabilidade (PORTILHO, 2005) e (TAVARES e IRVING, 2009), midiatização (SODRÉ, 2002; 2014), cotidiano (HELLER, 1985), Publicidade Social (SALDANHA, 2018), moda (LIPOVETSKY, 2009) e análise do discurso (ORLANDI, 2003).

Palavras-chave: Consumidor Consciente; Mídia e Cotidiano; Moda – Instagram Fashion Revolution; Sociedade Midiatizada de Consumo; Publicidade Social de Causa.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/13040


Janice Morais de Mendonça

Tecnologias digitais e processos de midiatização no cotidiano escolar

Orientadora: Walcéa Barreto Alves

Resumo:
A dissertação aqui apresentada baseia-se em três eixos principais: comunicação, educação e tecnologias. Apresenta análises e resultados de pesquisa sobre os processos de midiatização e suas implicações no cotidiano dos alunos de uma escola pública, localizada no município de Niterói, RJ. O estudo, realizado ao longo do ano letivo de 2018, foi desenvolvido através de articulação teórico-metodológica baseado em análise bibliográfica e pesquisa de campo de abordagem etnográfica (ERICKSON, 2001; MATTOS, 2011). Os dados foram escrutinados mediante análise de conteúdo, tomando como ponto de partida as representações que emergiram das situações observadas, considerando-se a ótica dos atores sociais envolvidos e contando com o auxílio do software Iramuteq. Os resultados apontaram que o desafio de incorporar as tecnologias digitais no cotidiano escolar vai muito além da mera utilização das mesmas como ferramentas de ensino e aprendizagem. Assim, foi necessário significá-las levando em conta os processos de midiatização vivenciados e demonstrados nos eventos observados e percebidos através das falas documentadas. A partir dessa percepção, os elementos descortinados apontam para caminhos que indicam a necessidade de elaborar, desenvolver e avaliar práticas culturais e pedagógicas que sejam capazes de promover o incremento de uma disposição crítica e reflexiva sobre os usos da tecnologia e da mídia no cotidiano em interface com aspectos educacionais.

Palavras-chave: Comunicação; Educação; Cotidiano; Tecnologias Digitais; Midiatização.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/16117


Juliana Dias Ferreira

Redes de alerta e a potencialização do medo no cotidiano midiatizado: o caso “Copacabana Alerta”

Orientadora: Renata de Rezende Ribeiro

Resumo:
O objetivo deste trabalho é discutir as interações e o conteúdo de postagens de grupos criados no Facebook para o compartilhamento de alertas sobre episódios locais de violência pública. Como objeto de análise, tomamos a página “COPACABANA ALERTA”, em um recorte de conteúdo de postagens sobre o assunto em 2018, que nos permitiu refletir a respeito da nova configuração de sociedade — cada vez mais afetada pelas mídias e pelas relações virtuais. Por meio das perspectivas de Maffesoli (2014) e Certeau (1998 [1980]) acerca do cotidiano, além dos conceitos de midiatização e redes sociais, e também do desenvolvimento de temas como o medo, a agressividade e as “performances catárticas” (REZENDE, 2014) no ambiente virtual, foi possível investigar a hipótese de que, em vez de contribuir para a sensação de segurança, a comunidade virtual em estudo poderia aumentar o sentimento de medo em seus participantes. A disponibilização de um questionário para ser respondido por membros de grupos de alerta, entrevistas com representantes de órgãos públicos sobre o monitoramento desses espaços, bem como o desenvolvimento de um percurso bibliográfico do conceito de vigilância foram as ferramentas usadas para alcançar uma compreensão mais ampliada sobre as relações e trocas desenvolvidas no território em questão.

Palavras-chave: Mídia e Cotidiano; Redes Sociais; Medo; Alerta; Violência Urbana.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/14059


Karen de Paula Santos

A publicidade oculta como estratégia de fortalecimento da narrativa neoliberal: uma análise crítica do discurso da previdência nos publieditoriais do Banco BTG Pactual

Orientadora: Patricia Gonçalves Saldanha

Resumo:
O estudo aqui apresentado pretende compreender as lógicas de determinados modelos de publicidade incorporados de modo oculto às produções midiáticas, considerando o contexto de midiatização contemporâneo. Partimos da hipótese de que a Publicidade Oculta, enquanto narrativa midiática que permeia o cotidiano, compõe uma estratégia de legitimação velada para o avanço dos interesses de mercado a partir de um discurso de enfraquecimento do Estado, que visa o avanço e consolidação do sistema neoliberal. Para tanto, nos debruçaremos sobre a comunicação do banco BTG Pactual e seus respectivos formatos no portal da revista Exame, que estruturam a Publicidade Oculta do banco, enquanto objeto da pesquisa. Serão investigados seis anúncios em publieditoriais veiculados pelo banco no portal on-line da revista Exame entre dois períodos: outubro de 2018 a dezembro de 2018 e junho a julho de 2019. Desse modo, o corpus de pesquisa servirá de base para analisar o agendamento de um tema pertinente a ―todos‖ os cidadãos brasileiros: a Previdência; a partir de um discurso oculto, para a manutenção do interesse de poucos e a serviço do mercado do capital. Para compor a metodologia, realizaremos a investigação do corpus a partir dos métodos de Análise Semiótica Peirceana e a Análise do Discurso de Linha Francesa, além de revisão bibliográfica e um estudo de caso com articulação teórica e levantamento de dados sobre o cenário político-econômico analisado. A perspectiva de mídia (KELLNER, 2001), midiatização (SODRÉ, 2002; 2014), publicidade contemporânea (ATEM, 2008), (PEREZ, 2007; 2015), Publicidade de Utilidade Pública (SALDANHA, 2019); Análise do Discurso (ORLANDI, 2001), Análise Semiótica (SANTAELLA, 2002) e as questões éticas publicitárias (BRAGAGLIA, 2017) serão algumas das temáticas aqui abordadas, para o desenvolvimento do referencial teórico.

Palavras-chave: Midiatização. Publicidade oculta. Mídia e Cotidiano. Publieditorial digital. BTG Pactual.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/15958


Letycia Gomes Nascimento

Etnocomunicação indígena como prática de liberdade decolonialista e ancestral na formação comunicativa da Webrádio Yandê

Orientador: Pablo Nabarrete Bastos

Resumo:
É com o desejo de entender a formação comunicativa da Webrádio Yandê junto à etnocomunicação indígena e suas interfaces na comunicação comunitária e cidadã que desenvolvemos, debruçados nas influências cotidianas, esta pesquisa de mestrado. Nossas reflexões se baseiam principalmente a partir da significação do próprio termo Yandê, que em Tupi Guarani quer dizer “Nós, nosso”. Além, é claro, da sobre a construção teórica dos temas: decolonialidade em Mignolo (2017), Quijano (2005), Maldonado-Torres (2016) e Fanon (1961); dos princípios fundamentais da ancestralidade indígena com Kopenawa (2015), Krenak (2019) e Mundurucu (2018). Seguimos nossas reflexões junto à comunicação a partir das proposições de Peruzzo (2006 e 2015), Paiva (2003, 2007 e 2008) e Prata (2008), no que diz respeito à comunicação comunitária; e com Martin- Barbero no que tange a construção dos modelos de sociabilidade e ritualidade comunicativa das comunidades originárias. Por acreditarmos que a construção da comunicação indígena é formada primordialmente pela sua subjetividade histórica, tomamos as proposições de Morin (2003) como guia teórico quanto a formação da comunidade indígena; e a revisão histórica de Deparis (2007), como ponto de partida para entender os atravessamentos que lhes perpassaram nos últimos 500 anos. Na realização desta pesquisa nos apoiamos na análise bibliográfica desses e de outros autores, também realizamos seis entrevistas em profundidade, com inspiração etnográfica, com coordenadores e colaboradores da Webrádio Yandê no Brasil e no México buscando compreender seus anseios na criação do veículo e suas rotinas para a produção de conteúdo.

Palavras-chave: etnocomunicação indígena; ancestralidade; comunicação comunitária; etnicidade; cotidiano

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/14483


Luiza Gould de Souza

A ‘arte de sujar os sapatos’ com a pauta social: grande reportagem e o cotidiano dos indivíduos (extra)‘ordinários’

Orientadora: Carla Baiense Felix

Resumo:
Este estudo analisa grandes reportagens protagonizadas por anônimos oprimidos, mas não passivos, a quem Michel de Certeau (2014 [1980]) chama de “ordinários”; por vidas “matáveis” e ao mesmo tempo insacrificáveis (AGAMBEN, 2010 [1995]); por mulheres e homens “invisíveis” (BRUM, 2006), assim considerados devido a uma cegueira coletiva e consciente. Verificamos se os discursos constituídos permitem conhecer, em sua alteridade, o marginalizado social. São problematizados critérios de noticiabilidade que repercutem essa exclusão na mídia, assim como rotinas produtivas do jornalismo. O corpus é constituído por trabalhos vencedores do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, e recorremos à Análise de Discurso francesa para investigá-los. A pesquisa revisita a grande reportagem por meio de escolas que afirmaram o lugar do gênero, como o New Journalism, mas também fornece um contraponto ao desromantizá-la. Conclui-se que a reportagem tem inegável potencial de relatar histórias de vidas marginalizadas com o respeito que tais histórias merecem, ajudando a iluminar os abismos de nossa sociedade. Mas, se não está a serviço do Outro, caso engrandeça a aventura do repórter ou tenda à espetacularização dos personagens, então o gênero terá falhado com a busca por um jornalismo mais íntegro e integral (MORAES, 2019).

Palavras-chave: Grande reportagem; cotidiano; marginalizado social; jornalismo.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/13504


Marcela Rochetti Arcoverde

O homicídio dramatizado: fragmentos do cotidiano violento em Cidade Alerta e Brasil Urgente

Orientadora: Renata de Rezende Ribeiro

Resumo:
Este trabalho propõe uma análise da representação do homicídio em Cidade Alerta (Rede Record) e Brasil Urgente (Rede Bandeirantes). Para tanto, refletimos sobre os processos de dramatização (COUTINHO, 2012) da notícia e como essa contribui para a criação de uma narrativa do cotidiano violento. Ponderamos como a vida cotidiana (HELLER, 1989) e a estrutura do jornalismo televisivo (MACHADO, 2000; PATERNOSTRO, 1999) se relacionam e como propiciam a veiculação de perspectivas “fragmentárias” da violência urbana. Com o intuito de compreender quais estruturas narrativas são utilizadas nesses noticiários policiais que adotam a linguagem sensacionalista (ANGRIMANI, 1995), fizemos uma análise de conteúdo (BARDIN, 2011) das reportagens veiculadas por ambos telejornais durante os meses de: janeiro, maio, agosto e dezembro de 2018. Foram 1975 reportagens coletadas: 472 de Cidade Alerta e 1503 de Brasil Urgente. Destas, analisamos em profundidade 64 reportagens, 32 de cada noticiário. A partir da observação geral do conteúdo veiculado pelos programas, percebemos que as notícias referentes, especificamente, à cobertura de homicídios ocuparam grande parte do conteúdo dos telejornais: 40,68% em Cidade alerta e 37,2% em Brasil Urgente. Por meio de uma investigação mais aprofundada das reportagens de homicídio coletadas, verificamos que o tipo de assassínio mais veiculado em ambos os telejornais foram os de motivações passionais em especial o feminicídio. Assim, através da comparação entre o que era representado nessas matérias e os dados sobre o crime de homicídio no Brasil, produzidos pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), pudemos verificar dissonâncias entre as reportagens e a “realidade” (estatística). Essas disparidades nos ajudaram a identificar como as narrativas de homicídio são dramatizadas nesses noticiários.

Palavras-chave: Cotidiano; Homicídio; Dramatização; Mórbido; Telejornalismo.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/16633


Paulo Roberto Figueiredo Aguiar Junior

Porta dos fundos como fenômeno de comunicação: uma abordagem pela teoria ator-rede

Orientadora: Flávia Clemente de Souza

Resumo:
Este trabalho tem como objetivo identificar, sob a ótica da Teoria Ator-Rede, os fatores que levaram o coletivo de humor do ciberespaço, Porta dos Fundos, a ser um fenômeno em seu canal do YouTube, identificando em sua rede sociotécnica os actantes (humanos e não humanos), os mediadores, as conexões, os intermediários e toda a translação existente na trama, traçando a cartografia das controvérsias a partir da abertura de sua caixa-preta. Foram utilizados os conceitos da filosofia da linguagem de Mikhail Bakhtin e seu Círculo como suporte teórico para as investigações realizadas. A pesquisa foi delimitada no recorte espaço-temporal do primeiro ano de existência do grupo, numa imersão dos estudos do cotidiano e suas práxis.

Palavras-chave: Porta do Fundos, Mídia e Cotidiano, Teoria Ator-Rede, Filosofia da Linguagem, Mikhail Bakhtin.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/13507


Raquel Terto Rego

Corpos femininas e narrativas: cotidianidade e (re) existências nas produções audiovisuais do Coletivo Mulheres de Pedra de Guaratiba

Orientadora: Denise Tavares da Silva

Resumo:
Este trabalho tem como objetivo analisar o protagonismo, a poética e a construção narrativa dos vídeos ÊLEKO (2015), QUIJAUA (2016), Fé Menina (2017) e Mar de Elas (2018), obras produzidas pelo coletivo Mulheres de Pedra de Guaratiba, localizado na região oeste da cidade do Rio de Janeiro. Interessa à pesquisa as discussões estéticas e o diálogo que estas obras estabelecem com a história e memória da identidade e cultura negra, situando-as no contexto do percurso dos coletivos que se formam como projetos de luta e resistência no país. Foca-se, particularmente, os processos de identidade e construção de um grupo essencialmente feminino que se mobiliza pela reivindicação de um protagonismo feminino negro. Tais metas implicam, para nós, em um percurso metodológico que inclui, além da análise audiovisual, abordar a dimensão cultural, de raça e de gênero revisados pelo campo teórico e metodológico do paradigma dos novos movimentos sociais à luz de uma bibliografia norte-americana e brasileira de e sobre o feminismo negro. Justifica-se o caminho escolhido em função da hipótese de que o processo criativo do Mulheres de Pedra é modulado pela perspectiva da resistência cotidiana – território problematizado especialmente por Heller (1985) -, e por uma atuação “em” Coletivo (que assumimos justa e potente), contrária à lógica estrutural racista e, portanto, de autoafirmação enquanto mulheres negras.

Palavras-chave: mulheres de pedra, coletivos, cotidiano, cultura afro-brasileira; audiovisual.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/16047


Robson Sales de Azevedo Junior

Empreendedorismo: uma análise por meio do jornalismo econômico

Orientadora: Larissa de Morais Ribeiro Mendes

Resumo:
Esta dissertação analisa como a imprensa retrata o empreendedor, a partir de histórias nas quais superação e meritocracia despontam como soluções para sair da crise econômica. A hipótese central da pesquisa é que, em um cenário de recessão, a imprensa especializada usa casos de sucesso no mundo empresarial para romantizar a trajetória do empreendedor ao sucesso profissional. Esse incentivo à abertura do próprio negócio está inserido em um contexto de mudança estrutural no mercado de trabalho, que ocorre desde a década de 1970 impulsionada pelo aumento da flexibilidade do modelo de produção capitalista. Através da análise de conteúdo, aliada a observação de enquadramentos, identificamos pelo menos cinco categorias para as matérias com o objetivo de observar inclinações e contrastes às coberturas em torno do tema. As reportagens foram classificadas através de uma leitura flutuante e, posteriormente, separadas de acordo com o conteúdo, que, majoritariamente, descrevia o perfil desse novo empresário e os caminhos para a saída da recessão. Investigamos matérias dos três principais jornais de caráter nacional: Folha de S. Paulo, Estado de S. Paulo e O Globo. Os exemplos escolhidos foram selecionados do ano de 2017, quando entra em vigor a reforma trabalhista aprovada pelo ex-presidente Michel Temer (2016-2018). Os meios de comunicação são um dos principais organizadores e distribuidores de discursos para a sociedade. A partir de conceitos de Henri Lefebvre (1991) e Agnes Heller (2008), apontamos a mídia como uma importante ferramenta de orientação do cotidiano, local de construção e desconstrução de valores da sociedade, espécie de fio condutor da história. A mídia possui papel fundamental na formação dos discursos, por isso, mostra-se fundamental entender como o jornalismo econômico, neste caso em particular, mostra essas histórias que exaltam o individualismo e a superação do empresário e como conceitos ligados ao empreendedorismo e à meritocracia receberam mais espaço no noticiário econômico no Brasil, principalmente a partir da década de 1990 com a chegada de governos neoliberais.

Palavras-chave: empreendedorismo; jornalismo; análise de conteúdo; enquadramento; mídia e cotidiano.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/14969


Tauani Susi da Silva Marques de Oliveira

Representação de mulheres negras no Instagram: análise narrativa dos comentários do feed de Nátaly Neri, Preta Gil e Talíria Petrone no Dia da Consciência Negra

Orientadora: Patrícia Gonçalves Saldanha

Resumo:
A presente pesquisa se refere à dissertação apresentada no Programa de pós-graduação em Mídia e Cotidiano e tem como objetivo geral refletir sobre possíveis impactos sociais que pessoas públicas podem causar a partir dos seus discursos midiáticos. Levando em consideração a importância da internet nos dias atuais, e seu aprimoramento a partir da globalização, a pesquisa pretende evidenciar o uso social das redes digitais, tendo em vista o processo histórico do nosso país e, consequentemente, o domínio das principais instituições articuladoras da vida ordinária. Pretendemos compreender se o Instagram, rede sociotécnica popularmente conhecida pela exposição de cotidianos, que aparentemente mostram vidas perfeitas almejadas por muitos internautas, também pode exercer a função de gerador de diálogos importantes acerca da mulher negra, a partir do corpus recortado para esta investigação: a influenciadora digital Nátaly Neri, do canal no YouTube nomeado Afros e Afins, da Deputada Federal pelo Estado do Rio de Janeiro, Talíria Petrone e da artista contemporânea Preta Gil. Vamos analisar como a apropriação do Instagram por mulheres de distintos segmentos sociais tem sido relevantes para refletir sobre as problemáticas associadas ao machismo, ao racismo e ao sexismo na atualidade, além de pensar a importância de se debater sobre lugar de fala e empoderamento da mulher negra após séculos de sileciamento. A metodologia será constituída pela pesquisa bibliográfica e pela análise dos comentários, a partir do discurso inserido das publicações realizadas no feed do Instagram. No que tange à pesquisa bibliográfica, nos fundamentaremos nos autores Zygmunt Bauman, para trabalharmos os efeitos da globalização e Stuart Hall para compreendermos o conceito de identidade da mulher negra como sujeito pós-moderno em um mundo globalizado. Vamos trabalhar com as obras dos autores Manuel Castells, Henri Jenkins e Douglas Kellner para elucidar os efeitos do uso da internet nas interações sociais entre os indivíduos, além de Agnes Heller para trabalhar o conceito de cotidiano, e os livros de Joice Berth e Djamila Ribeiro para compreender o significado e a importância do empoderamento das mulheres em questão e do lugar de fala a que têm direito.

Palavras-chave: feminismo negro na mídia, cotidiano no Instagram, representação das mulheres negras, Nátaly Neri – Preta Gil – Talíria Petrone, dia da consciência negra.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/15825


Thiago Ribeiro Fraga

O homossexual masculino em Bichas e Xampy: corpo, identidade e protagonismo social

Orientadora: Denise Tavares da Silva

Resumo:
O objetivo deste trabalho é discutir as identidades e protagonismos associadas ao homossexual masculino nos filmes documentários “BICHAS, o documentário” (Marlon Parente, Recife, 2016) e “Xampy” (Daniel Wierman e Paulo Menezes, São Paulo, 2014). Pretende-se, com este foco, observar as estratégias narrativas destas obras em torno destes protagonismos, em cotejo a um cenário marcado pelas revisões dos valores relacionados ao homossexual masculino no Brasil. Entre os autores que balizaram este percurso está João Silverio Trevisan pela recuperação que faz da trajetória do movimento LGBTQIA+ no Brasil e sua relação com o audiovisual brasileiro. Também trabalhamos o conceito de estigma do Goffman e o de preconceito de Heller, além de nos valer de Stuart Hall, Bauman, Tomaz Tadeu da Silva e Judith Butler para discutir as questões relacionadas à identidade. Destaca-se, especialmente, o conceito/proposta da “Ética Bixa” de Paco Vidarte, entendendo o protagonismo do homossexual como corpo político. Quanto à problematização que fazemos em relação às representações homossexuais, recorremos, mesmo que breve e pontualmente a Maffesoli e Foucault. A abrangência das discussões e a recorrência aos autores citados têm como fundamento um percurso metodológico que teve como ponto de partida o diagnóstico de diversas obras audiovisuais que buscavam problematizar a representação e identidade do protagonismo do homossexual masculino. Tal situação nos levou a uma revisão bibliográfica que buscou recuperar um breve histórico da construção desta representação e também da militância afinada às lutas do movimento LGBTQIA+ o que nos ofereceu as chaves conceituais que estruturam este estudo, isto é, representação, identidade e a “Ética Bixa”, esta última como um horizonte potente na perspectiva de quebra de estereótipos. Este caminho de investigação nos levou a concluir, ao final do estudo, que nos documentários-objetos da pesquisa, existem representações dos limites de transgressão no corpo e na retórica do homossexual masculino autoafirmado “bicha”, e que o entendimento destes limites nos permite novos entendimentos sobre a construção de identidades na comunidade LGBTQIA+.

Palavras-chave: Documentários, LGBTQIA+, Identidades, Cotidiano, Homossexual Masculino

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/15827


Victor Rocha Nascimento

Uma retomada do Jornalismo Sensível: A apresentação de leituras plurais da realidade por um jornalismo dos afetos

Orientadora: Larissa de Morais Ribeiro Mendes

Resumo:
O mundo passa por transformações intensas. Dentro dele, a mídia sofre os impactos de uma era regida pelo imediatismo e incessantes renovações tecnológicas. Muitas vezes tal corrente implica em um consumo acelerado e banal de informações e desinformações, pondo em xeque valores fundamentais do jornalismo. Frente a este cenário, nosso estudo pretende verificar a subjetividade (fortalecida no contemporâneo) como ferramenta no processo de desnaturalização dos fatos a partir da produção sensível de textos informativos. Buscamos também analisar o desenvolvimento de um jornalismo que abre espaço para sua dimensão estética como possível atrativo e amplificador das visões de mundo do leitor, indicando ainda uma aproximação do próprio fazer jornalístico com a arte. A partir disso, nos propomos a conceituar e analisar o que seria um “Jornalismo Sensível”, texto informativo que utiliza subjetividades combinadas nas diferentes etapas do processo jornalístico (sem abrir mão da racionalidade e de uma objetividade metodológica) como ferramenta de comunicação e pluralização das noções de realidade, sobretudo no que diz respeito a representações sociais e a identificação do “eu” e do “outro” na sociedade. Nossas pesquisas indicam que esse fazer jornalístico sensível vai além do estilismo autoral dos textos, perpassando a escolha da pauta, a apuração, a produção, até afetar o imaginário e as sensibilidades do leitor, causando ainda um estímulo à empatia. Tomamos como referência de análise o que foi praticado em publicações contemporâneas através de um recorte que abarca, dentre outros, textos de Fabiana Moraes, Eliane Brum e das revistas Realidade e Piauí.

Palavras-chave: Jornalismo Sensível; Mídia e Cotidiano; Narrativa; Afetos.

Link: https://app.uff.br/riuff/handle/1/13284